ENTREVISTAS TV

Entrevista com Psicanalista | Famosos

 

 

Texto retirado e adaptado da entrevista na íntegra concedida a Rede Record de Televisão para o programa Domingo Espetacular sobre as possíveis consequências da fama repentina durante a infância e como os pais podem lidar com essas situações. 

O que é a fama em termos psíquicos?

 

A fama é comumente relacionada a exposição na mídia e a visibilidade, incluindo programas de televisão, comerciais, novelas. E mesmo na internet, como nos vídeos publicados nas redes sociais que se tornam virais, intencionalmente ou não. Mas também pode ser pensada em termos gerais no âmbito familiar e social. Simbólicos, portanto. Por exemplo, características, habilidades ou qualidades detectadas, atribuídas e destacadas na criança.

 

 

Ser famoso ou ter sucesso muito cedo pode refletir na vida adulta?

 

A fama em si e não é um mau prognóstico, não indica que aquela criança terá problemas psicológicos ou comportamentais. Pelo contrário, pode ser vivida de forma bastante lúdica ao mesmo tempo em que toca temas como responsabilidade e decisão. Inclusive, tornando-se uma atividade profissional. Mas sem desconsiderar outros aspectos prazerosos e importantes, como a escola, o brincar.

 

 

Como so pais devem lidar com a exposição dos filhos na mídia?

 

Administrar essas situações não é tarefa simples nem mesmo para os adultos, porém, quando os pais se fazem atentos a forma como eles próprios e também os filhos lidam com isso, devem incluir aí um espaço de escolha vinda da criança. Os valores passados desde cedo pela família são fundamentais, mas não garantem que tudo saia como planejado pelos pais, pois cada um recebe algo disso a sua maneira. Fato é que encontramos irmãos criados num mesmo ambiente familiar, mas de personalidades distintas.

 

 

Qual o papel da mãe ou dos pais no desenvolvimento saudável dos filhos?

 

Os pais transmitirem as expectativas de vida deles para os filhos e isso também não é um problema, pelo contrário, é parte da constituição psíquica. O problema é quando o ideal criado em torno dessa criança ou desse lugar, é recebido por ela como imposição, como um dever de atingir ou permanecer em uma certa posição fixa para garantir o amor dos pais ou para se sentir amada pelos outros, reconhecida.

 

 

Como perceber nas crianças quando algo não vai bem?

 

A forma com isso se dá para a criança e para os pais vai ser refletida no momento em que ela tiver que lidar com a perda dessa fama, quando iniciar outra carreira, desempenhar um novo papel, ou mesmo estar de outra maneira neste papel. Desejar outras coisas além da visibilidade deste mesmo ângulo.

 

Aqui a psicanálise faz uma distinção entre essa demanda de reconhecimento e o reconhecimento do desejo. O quanto ela vai conseguir se separar dessa figura tão consolidada com a qual ela se vê identificada. E ter liberdade para criar, se reinventar a partir disso. Se dar conta de que ela não se resume a essa imagem e que a transmissão psíquica entre gerações comporta brechas.

 

 

* Por Luciana Kie, psicóloga e psicanalista - Jardim Paulista - São Paulo / SP.

E-mail: contato@lucianakie.com.br

 

 

 

Foto: Rodrigo - Equipe de produção Rede Record de televisão

Se prestarmos atenção à atitude de pais afetuosos para com os filhos, temos de reconhecer que ela é uma revivescência e reprodução de seu próprio narcisismo, que de há muito abandonaram [...]. ‘Sua Majestade o Bebê’, como outrora nós mesmos nos imaginávamos.

(FREUD, 1914)

Fonte: Imagem de banco de dados autorizado na internet

Políticas de uso

Registro de logotipo

Fotos de acervo pessoal

© 2015 Direitos Reservados

Luciana Kie - Psicanalista SP

Psicanalista Jardins - Paraiso | Clinica Psicanalise lacaniana SP Sao Paulo

Consultório de Psicanálise SP

Alameda Jaú, 72. Cj. 15 - Jardim Paulista

CEP: 01420-000 - São Paulo SP

contato@lucianakie.com.br

Tel.:

Não publicamos fotos de pacientes ou dados pessoais de tratamentos. Nossas publicações visam abordar temas relevantes da área em caráter genérico e informativo,

não possuem qualquer propósito diagnóstico e não substituem a particularidade de cada caso em uma consulta clínica. Demais dúvidas entre em contato.